Pesquisar este blog

sexta-feira, 23 de maio de 2008

Evangelizar

EVANGELIZAR


Comunicar uma alegre notícia foi a missão de Jesus, enviado pelo pai, a um povo mergulhado no desanimo e na escravidão. Jesus mostrou os sinais de um mundo novo. Ao se ausentar pela sua ascensão, disse: “Vão pelo mundo”. Evangelizar se tornou, portanto, a razão de ser da igreja no mundo.
Ao longo dos 500 anos, aqui no brasil a igreja se sentindo enviada, fez a proclamação da boa nova. Hoje completando esse tempo, fala-se de uma nova evangelização. Não quer dizer que a primeira foi simplesmente falha ou inútil. Trata-se de reconhecer que estamos num tempo novo e com desafios novos. Para este tempo a igreja precisa ter uma resposta nova.
Fazer uma nova evangelização nos dias de hoje, é atualizar o discurso e considerar as situações novas que existem na sociedade e na vida das pessoas, iluminando toda vida, com as palavras de Jesus que estão no seu evangelho.
O centro da nova evangelização deve ser sempre a pessoa de Jesus. Proclamar sua vida, a sua mensagem, a sua morte e a sua ressurreição. É a pessoa dele e a força de sua palavra que deve causar o impacto do novo que transforma o coração e as estruturas.
Teremos uma nova evangelização quando nada um tomar como meta decisiva o anuncio alegre da boa nova através da palavra e do testemunho. Ide, eu estou enviando vocês. “Evangelizar com renovado ardor missionário”. Isso significa que o espírito de Jesus está presente animando a caminhada que conduz ao crescimento do reino


Pe Bosco

Missao


FUNDAMENTOS DA MISSÃO

Em primeiro lugar, devemos lembrar que a missão procede da Missão do próprio Jesus. Enviado pelo Pai fazendo-se carne (Jo.1) para manifestar os sinais do Reino de Deus, Jesus compõe o grupo dos seus discípulos.
No dia da ressurreição, quando Jesus aparece aos seus, faz o envio, da mesma maneira que foi enviado, entregando, através do gesto, o sopro, a graça do alto, o Espírito Santo. (Jo.21).
A razão de ser de Igreja é a necessidade de fazer a missão. O próprio Jesus constatou: “A messe é grande e os operários são poucos”. Pede para que se reze ao Dono para que não deixe de cuidar do seu campo.
A missão não consiste apenas em um movimento animado e passageiro como fazem os missionários. Trata-se de uma dimensão necessária mas de pouca eficácia. A missão deve ser um movimento organizado, com planejamento e avaliação, métodos que atinjam a realidade.
Também a Missão não é apenas para outros povos. Deve ser o dinamismo interno de vida das Igrejas particulares e paroquiais.
Quando Paróquias ou comunidades se organizam criando uma estrutura, ficando apenas com tempo para mantê-la, cria-se um espírito burocrático e rotineiro sem tempo e espaço para a criatividade.
Hoje, com o desafio da modernidade e da dinâmica do mundo, criando sempre desafios novos, os responsáveis pela missão se sentem provocados, impotentes e muitas vezes desanimados para cumprirem as palavras de Jesus “Ide pelo mundo e pregai o Evangelho a toda criatura”(Mt.28).
Outubro é o mês da Missão no sentido de chamar a atenção para uma realidade que deve estar presente sempre, fazendo conhecer a Igreja.
O Espírito de Pentecostes que despertou ânimo nos Apóstolos, também acordo as estruturas, muitas vezes apodrecidas, em nossas comunidades, para fazer surgir o NOVO necessário no Trabalho de Evangelização.

Pe Bosco

Pastoral Carceraria (o que é)

PASTORAL CARCERÁRIA


A Pastoral Carcerária não é um grupo que apareceu por aqui sem orientação e sem rumo, onde cada um segue a sua própria ideologia. Pelo contrario, a Pastoral Carcerária é uma pastoral social, oficialmente ligada a CNBB - Conferência Nacional dos Bispos do Brasil.

.A Igreja define a Pastoral Carcerária como um grupo chamado a ser a presença de Cristo e da Igreja no mundo dos encarcerados. Como Jesus reagiria e quais posições tomaria frente aos presos? Assim também um agente desta pastoral deverá reagir .

.A presença da Pastoral nos cárceres, não tem apenas uma legitimação religiosa, não se trata de executar uma tarefa por fanatismo. A atuação tem um fundamento e um ordenamento jurídico. A Lei da Execução Penal, entre todos os outros deveres e direitos dos presos, assegura como direito e necessidade, a assistência religiosa. Artigo 5.º, VII da Lei de Execução Penal. (Lei 7.210 de 11/08/84).

Assistir ao preso religiosamente, não significa, necessariamente converte-lo ou até impor uma prática religiosa. Significa ter os sentimentos de Cristo Jesus para realizar uma pastoral da escuta e da solidariedade, já que o preso vive uma experiência permanente de solidão. Por isso, a Pastoral Carcerária, de forma amiga, deve preencher um imenso vazio, possibilitando ao preso uma partilha fraterna, marcada pela absoluta confiança.

0 preso, ao ser visitado, deve fazer a experiência de sentir-se gente. 0 cristão precisa saber destinguir entre o pecado e o pecador. Entre a experiência do pecado está a pessoa que pode, ser ajudada, ser recuperada e ordenar a sua prática de vida. A simples presença do agente de pastoral pode significar esse momento, se o agente não for revestido de preconceitos, a exemplo de Jesus.

Como o seu trabalho é solidariedade, a Pastoral Carcerária não quer tirar ninguém antecipadamente da prisão. Não somos a favor da impunidade. Quem foi condenado de forma justa, tem a obrigação de cumprir a sua pena sob a responsabilidade do Estado. A Pastoral tentará ajudar, para que o apeando assuma a sua prisão e procure rever a sua vida. Se o preso já cumpriu a sua tarefa, a Justiça lhe concederá a liberdade, o que é direito do preso, e obrigação da Justiça. Infelizmente, muitos cumprem além da pena, por descuido do Estado e a morosidade da Justiça.
Pe Bosco

Pastoral Carceraria

Pastoral Carcerária
Na experiência da Pastoral Carcerária, é inconcebível que o apenado seja desrespeitado, ofendido, torturado, tendo violado os seus direitos. A Lei da Execução Penal fala sobre os direitos e os deveres dos presos, como também das punições. Nunca, no entanto, fala do desrespeito como forma de punição. É obrigação do apenado cumprir a sua pena; é obrigação do Estado trata-lo com dignidade; é obrigação da Justiça acompanha-lo e conceder-lhe, no tempo devido, todos os seus direitos.

A assistência religiosa consiste em assistir a pessoa como um todo: sua fé, sua descrença, suas alegrias e tristezas, esperanças, necessidades materiais, jurídicas, etc. Muitas vezes entramos nas atribuições específicas do Estado. Como sinal de parceria e de contribuição é que sempre fazemos algumas campanhas materiais, para contarmos com a solidariedade dos irmãos e irmãs .

Um grande problema para a sociedade é o preso. Ele é uma ameaça, por isso, toda sorte de críticas e condenações recai sobre ele. O homem ou a mulher que já viveu a experiência do cárcere, carrega, para o resto da vida, as marcas da condenação. Sem o funcionamento e a ajuda da sociedade, o preso jamais será ressocializado e acolhido, para viver com dignidade, longe da delinql1ência.


Pe. João Bosco Francisco do Nascimento
Coordenador Estadual da Pastoral Carcerária
Alguns pontos para a nossa reflexão

01- Nos momentos tensos todas as pessoas querem falar, o que é um direito, no entanto, fala-se sem saber exatamente o que realmente se comenta. É necessário falar daquilo que se tem visão clara e ampla da realidade. Emitir opinião sobre o que não se conhece a fundo a um problema grave.
02- Não se pode agir e reagir conduzido pelo emocional. As situações de tensão e de violência criam, sem dúvida, um estado de insegurança psicológica, mas é necessário controle, pois o emocional nada resolve, pelo contrario crias outras situações mais graves que é a incapacidade de viver e lutar.
03- Devemos aprender que as mudanças na vida pessoal e social são muito lentas. Elas exigem vontade pessoal e política. No caso do sistema prisional essa vontade não existe e por isso a situação fica cada vez mais grave.
04- Muitas pessoas nesses momentos se sentem senhores da vida e logo aparecem com as soluções: matar tudo vamos acabar com os bandidos. Muitos que formam os bandos estão fora e até representando a sociedade. Por isso, existe um único critério de julgamento correto que é o do evangelho pois ninguém pode julgar, condenar, matar..
05- A violência é vista só a partir da prisão, mas a violência é social, adquirida na sociedade e na família. O que existe na prisão é por que existe aqui. Nos outros somos culpados porque somos de acordo e educamos para a violência e não para o perdão. Educar batendo, não se está educando, mas motivando práticas violentas. O maior índice de violência acontece dentro de casa entre quatro paredes, camuflada na hipocrisia da nossa cultura de boas aparências.
06- A complexidade da sociedade e suas relações se complexificam ainda mais no sistema prisional. Uma sociedade paralela e excluída da vida que depende do estado, da justiça com todos os seus componentes, acaba buscando formas de sobreviver o que se torna uma necessidade.
07- O grande problema é a crise institucional do estado que não consegue não ser corrupto. Bloquear o sinal do celular nas prisões é como enxugar o chão molhado quando o teto está aberto para fazer descer a água. A condenação vem para o preso, mas o criminoso (que é o estado) (através de seus agentes) continua praticando o crime da corrupção. Se o estado quiser, resolverá o problema. O que não se pode é brincar com coisa séria, (a vida, o ser humano) e isso o estado está fazendo, contrariando tudo o que é de principio humano e divino a respeito do ser humano. Numa visita a uma de nossas prisões ouvi do diretor, com o testemunho de outros irmãos que “a droga entra pela porta da frente”. Nas unidades prisionais tudo tem um preço para completar o salário do funcionário mal pago e para alimentar a corrupção. Ao dialogar com um preso que é musico, na mesma unidade onde a droga tem fácil acesso, não é permitido que o mesmo fique com o seu violão.

08- Setores da imprensa só noticiam o que interessa. Quando existe uma fala que é racional, objetiva, equilibrada e aponta para o ponto central do problema, parte da imprensa não dá escuta. Interessa o emocional, o superficial, o ideológico e não o real, a verdade.


Pe Bosco

Pe Ibiapina

Pe Ibiapina, nasceu em Sobral, no Ceará,mas adotou a Paraiba, sobretudo Santa Fé como o centro de sua missão. Andou em 5 estados do Nordeste, nos quais construiu as casas de caridade que abrigavam crianças, especialmente meninas sem pais. Seu túmulo se encontra em Santa Fé que hoje é um grande centro de peregrinação.Todos os meses, no dia 19, dia de sua morte, encontra-se um grande número de romeiros animados por Dom Antonio Muniz Fernandes, Bispo de Guarabira. O dia de sua morte, 19 de fevereiro, o Santuário é tomado por fiéis romeiros. Neste ano de 2006 a diocese de Guarabira celebrará os 200 anos de seu nascimento. O Pe Ibiapina foi um momento que esteve muito à frente do seu tempo. A sua missão consistiu em cuidar da vida do povo nos sertões secos do Nordeste, sem água e sem pão. Construia açudes,igrejas e cemitérios onde chegava, fazendo o povo trabalhar em mutirão. A diocese de Guarabira tem a graça de celebrar a vida de Pe mestre Ibiapina como o apostolo do Nordeste. Pe Bosco

Eucaristia


Eucaristia.

A igreja do Brasil teve o privilegio de celebrar recentemente mais um congresso eucarístico. Trata-se de celebrar com mais intensidade o mistério da eucaristia em nosso meio. Jesus garantia para todos nos a sua presença: na palavra, nos irmãos, mas em especial no sacramento do seu corpo e seu sangue. Na verdade, em todos os demais sacramentos nos temos os sinais externos através dos quais nós sabemos que nos comunicamos com Deus e Deus se comunica conosco. Só na eucaristia nós temos a comunhão direta com o Senhor. Isto é o meu corpo, tomai e comei, isto é o meu sangue tomai e bebei. É exclusivamente em Jesus que podemos nos alimentar.
Por outro lado, já que a comunhão com o senhor deve se tornar visível, nós temos necessidade de viver em comunidade, pois, ai se manifesta ou deve se manifestar a nossa comunhão com Jesus. Como nos dissera o apostolo João que amar a Deus é amar ao próximo, assim podemos demonstrar na convivência e no amor que a nossa união com Cristo é real, verdadeira e sem hipocrisia.
Antes e durante o tempo de congresso se teve como ponto de reflexão a expressão que em todas as missas a assembléia repete depois que o presidente da celebração anuncia: O Senhor esteja convosco e a assembléia responde que Ele está no meio de nós.Essa expressão é o anuncio constante do privilegio que temos da eucaristia.
Portanto, passados os dias do congresso, temos a tarefa de a cada momento de nossa vida, em nossas celebrações nas comunidades e nas casas religiosas de podermos contemplá-lo entre nós, agradecendo a Deus pelo mistério da encarnação que se eterniza na presença de Cristo em nosso meio e nos corações das pessoas que se alimentam do pão do céu.

Pe Bosco

Medo

Medo

Todos somos marcados pelo medo em nossas vidas. Trata-se de um sentimento como a alegria, a tristeza, etc
O medo de muitas coisas nos acompanha: das doenças, da morte, da violência, das críticas, das perseguições, das injustiças, do futuro, das surpresas da vida. Por isso, Jesus apresenta motivos para superar o medo:
- As perseguições nos tornarão semelhantes a Ele. Este fato deve nos deixar tranqüilos. Se o discípulo não é maior que o mestre; se o servo não é maior que o senhor e se chamaram o Senhor de príncipe dos demônios, então o discípulo deve ficar tranqüilo diante das perseguições e calunias.
- O Evangelho vai triunfar e a inocência dos apóstolos serra posta em plena luz. Por isso, Jesus convida a não Ter medo deles pois tudo o que estiver o mais oculto possível será descoberto. E conhecido.
- Os perseguidores serão impotentes diante da verdadeira vida. Eles matam o corpo mas não podem matar a alma. Mais um motivo para confiar.
- Aos apóstolos são infinitamente caros ao Pai que cuida deles. Precisam confiar nele, até os cabelos estão todos contados. Se Deus cuida da natureza, dos pássaros, muito mais cuidará de vocês.
- Ter a coragem de se declarar diante dos homens como seguidores de Jesus.
Pensar que pertencer à igreja significa refugio seguro, livre da perseguição e da tempestade, para se desiludir bastam as palavras de Jesus neste texto. Mt 10,24-33

A Missao

Missão
O texto oferece instruções para quem quer seguir a Jesus como discípulo, algo para o qual toda pessoa é chamada. Aqui aparecem duas condições. A primeiras é Ter coragem para enfrentar a dureza de vida que \Jesus assumiu como pregador errante, com absoluta pobreza, sem Ter onde reclinar a cabeça. A Segunda, é colocar o interesse pelo reino acima de tudo e de todos e das preocupações pessoais como, por exemplo, enterrar o pai.
Todos são chamados na liberdade. Desses dois, um se ofereceu e Jesus fez a exigência. Outro Jesus chamou mas não sabemos quais se tornaram seguidores. O importante é o apelo feito por Jesus.
A mensagem cristã no evangelho é exigente. O cristão não segue uma doutrina mas uma pessoa. Não se tratar de aceitar um modo de pensar mas uma maneira de viver. Devemos seguir sem medo da insegurança de vida. Há muitas maneiras de seguir. Antigamente se imaginava a vocação mais para padres. Hoje todos são chamados de diversas maneiras.
Uns consagram as suas vidas na vida religiosa; outros se dedicam ao trabalho com os doentes; outros trabalham nas periferias; outros trabalham na educação e animação da fé; outros cuidam da organização do povo em vista de melhores condições; outros fazem o trabalho da catequese.
O mais importante destes trabalhos é que seja um seguir a cristo. O mais importante é que cada pessoa na sua atividade , na sua profissão, sinta-se no caminho para o encontro com Jesus, pois ele mesmo disse ser o Caminho.
Importante lembrar que apesar da divulgação sobre a missão, ela continua sendo uma grande necessidade. A messe ainda continua grande, imensa e com poucos operários e com muita gente completamente desconhecedora da Boa Nova. Mt 8,18-22

Comunicação

Sejamos Comunicação

A característica fundamental da pessoa humana é ser capaz de entrar em relação com a natureza, com o mundo e essencialmente com seus irmãos e irmãs. Quando nos falta esta possibilidade perdemos o gosto de viver. Tenho uma experiência recente: Um presidiário que agora conseguiu da justiça o direito de trabalhar fora da prisão, parece não ser a mesma pessoa.
Deus também é comunicação, tanto em nível da Trindade, quanto ao nível das relações com a criação. A Bíblia é o grande testemunho da historia do Deus que permanentemente se aproxima e se comunica com o seu povo. Criado à Imago Dei, o Povo aprendeu do próprio Deus a possibilidade e a importância da comunicação.
Precisamos rever a quantas anda a nossa comunicação hoje.
Os nossos adolescentes, que já são tão familiarizados com o computador e com a internet não conseguem imaginar a situação de Guarabira pelo final dos anos 70.
Nenhuma Radio existia. Surgiu a Radio Cultura de Guarabira; só existia uma linha telefônica no Posto de Serviço da Telpa que atendia ligações dos ramais e fazia ligações interurbanas; todos os outros meios de fácil comunicação chegaram muito depois.
Hoje é impossível pensar a Guarabira daqueles anos. Seria uma frustração imensa para a nossa juventude não só daqui mas do nosso país voltar ao passado. Temos, na verdade, uma grande inovação e o privilegio da fácil comunicação com o mundo.
Onde está o problema ocasionado por estas mudanças?
O primeiro e grande problema é que nós somos irmãos, filhos e filhas do mesmo Pai, mas, na verdade, a nossa irmandade deixa muito a desejar. Aquilo que é bom e necessário não chega para todos. A muitos falta a comida, a moradia, a saúde, etc. Ou seja, Guarabira é a mesma ainda para a grande parte da população que permanece na mesma pobreza, por mais que se faça propaganda bonita da cidade, a realidade é outra.
Outra questão muito séria dos Meios de Comunicação a nível global é poder perceber o serviço que prestam,sem o qual não teríamos o acesso tão rápido às noticias e aquilo que poderia ser diferente. É lamentável ter presente que muitas vezes os Meios de Comunicação são um desserviço à população: fazem apologia ao crime, defendem a violência, incentivam o controle da natalidade quando poderiam incentivar um planejamento familiar, desvalorizam a religião e desconhecem o dado da fé, motivam a expansão do vicio, da droga, do aborto etc.
Jamais podemos esquecer que por melhores que sejam os nossos Meios de Comunicação (sem eles não podemos mais atingir as massas), por trás de tudo existe uma ideologia, um interesse e uma política a ser defendida. Só se divulga aquilo que está de acordo com o referido dono e que não fere seus interesses, mesmo que se fale em liberdade de imprensa. Duvido que um apresentador de noticias ou um locutor de qualquer Radio ou televisão possa dizer, de fato o que ele pensa. Ele está praticamente obrigado a divulgar apenas aquilo que é o pensamento do patrão. Se for desobediente será um desempregado.
Isso é um sinal de que muita coisa ainda precisa melhorar.

Pe Bosco

A morte

A Morte


Morrer faz parter da experiencia humana e todos morrem igualmente sem que nos possamos registrar, de fato, tal situaçao enquanto algo existencial.
Na verdade, porem, podemos constatar as duas realidades de morte: a maneira de morrer do pobre e a maneira de morrer do rico.
Somos todos irmaos, diante de Deus, é verdade, porém com circunstancias de vida diferentes.
A morte para o pobre é um grande sofrimento. O mesmo fica em casa muitas vezes,para suportar todo o sofrimento. Já presenciei muitos desses quadros. O dado curioso é este: sendo pobre, o mesmo não conta com os privilégios dos melhores hospitais protegidos pelos planos de saude. No máximo, são vistos pelos médicos, onde recebem uma receita com a medicação e enviados para casa.
A situação dos que possuem condições já é outra completamente diferente. Leva-se em conta o componente da amizade, dos planos ou do dinheiro que é o elemento de mais influencia. Escutei certa vez o testemunho de um médico que tentou atendimento de alguém da família. A situação foi muito diferente antes e dois de identificar-se como profissional. Na verdade, o ser humano não vale pela sua grandeza mas pela suA condição social.
O pobre já convive tanto com o sofrimento e a morte que assume esses momentos com muita naturalidade e confiança: ele sabe que Deus é o único que está presente como apoio. O rico jamais aceita conviver com a morte ou com o doente. Toda a experiencia de sofrimento acontece distante do aconchego familiar, não só para que haja um bom atendimento mas para não sentir ou não acompanhar tal situação. Na morte, o velório acontece também em ambiente completamente distante da convivencia familiar. Trata—se, na verdade, de ausentar ou camuflar essa real situação que nos acompanha a todos.

Pe Bosco

Realidade

Pelo nosso País


É muito difícil e quase impossível saber o que realmente está acontecendo por este nosso País. Os problemas envolvendo dinheiro, desonestidade e brigas políticas são constantes. As punições são tão raras que jamais inibirão a ação dos protegidos pela lei. É bem verdade que as prisões só se enchem de pobres até que se prove o contrário.
O norcotráfico vai tomando conta de tudo e vai corrompendo muita gente. Por isso a dificuldade que existe para que se crie uma CPI. De repente, muita gente pode aparecer envolvida, aliada ao dinheiro fácil produzido pelas drogas.
Estamos acompanhando os desmandos do Congresso Nacional. Quem não sabe da postura arrogante e irônica de ACM ? Agora está ai o problema, exposto ao ridículo. Este é o preço que mais hoje ou mais amanhã pagam os arrogantes.
Os nossos políticos vivem sempre em função de suas vantagens pessoais. Vejamos, agora, as alianças, mudanças de partido, busca de favores, privilégios,etc. No fundo, tudo passa pela manutenção do prestígio onde homens e mulheres conseguem manter a própria arrogância, onde tudo gira em torno do próprio umbigo.
As questões antigas nunca serão resolvidas por quem tem a obrigação de resolvê-las. A velha seca do Nordeste com a falta da água e da comida é uma delas. É muito mais importante que ela exista, pois, através dela, alguém passa por bom com o dinheiro que vem de fora ( verbas federais ), nem sempre bem aplicadas. Estão ai, por exemplo, as denúncias sobre os desmandos da SUDENE onde os recursos foram desviados para outros fins.
As cestas básicas, as frentes de emergência servem simplesmente como batalha de campanha e fonte de discriminação: vai ser beneficiado quem é conivente com quem está administrando. Agora voltam as discussões sobre os saques nas feiras, armazéns, etc. Trata-se, realmente de um assunto polêmico. Uns vão defender a ordem, o patrimônio; outros, no entanto, vão defender o direito de viver que só é possivel se houver o pão que não foi objeto de preocupação antes que chegasse o grave momento da crise.
Na verdade vivemos um clime de muita irresponsabilidade de todos, cada um naquilo que lhe compete. Por exemplo, a famosa discussão sobre os apagões. Inventam-se palavras novas para tratar de situações tão graves e tão sérias. Por que esta questão não foi prevista antes ? Duvido que este racionamento aconteça para os grandes. Os pobres com certeza serão punidos pois em tudo já são. Muito antes de se falar neste problema, saia uma reportagem sobre os gastos de energia elétrica do planalto, algo exorbitante. De modo geral, referindo-se a água e luz todos dizem: “deixa gastar que eu pago.” Essa mentalidade gera um ato de indiferença e cria um agravante muito sério a nível de futuro.
Eis ai a questão e o desafio. Uma mudança será possível quando a cultura mudar e quando houver uma concepção diferente sobre a política e para o político.

Padre Bosco

Pascoa

Páscoa

Este tempo é visto sobretudo como momento de festa tirado o seu sentido original, relacionando-a apenas com a comida. Até mesmo os que fazem regime dizem os outros que devem ser liberados para o chocolate, tido como tentação irresistível. O mesmo tornou-se uma das grandes indústrias do momento. Incentivar o seu consumo é difundir uma grande fonte de renda. Por incrível que pareça, Páscoa do ponto de vista pagão é simplesmente chocolate nas suas mais variadas formas. Afinal de contas, nesta nossa sociedade, dependendo do interesse, tudo muda de sentido para que se alcancem os objetivos desejados. Assim foi mudado o sentido verdadeiro da Páscoa.
Na tradição biblica, a Páscoa significa passagem e ela está estritamente ligada com a vida, tendo a mais importante significação na história do povo de Deus. Jamais foi esquecido aquele momento, no qual, Deus viu e ouviu a aflição do seu povo no Egito e resolveu libertá-lo através do chamado de Moisés.Tratou-se da passagem da dura escravidão do Egito sob o poder do faraó, para a terra da sociedade tribal, fundamentada na lei do amor a Javé que se apresenta como um Deus ciumento, isto é, que jamais aceitaria o relacionamento de seu povo com outra divindade.
Hoje celebramos a Páscoa da nova aliança. Tudo o que fora celebrado na Antiga Aliança, teve o seu ponto alto na Nova Aliança, onde Jesus tornou-se a plenitude da presença de Deus. O novo templo, o novo Moisés, o novo Adão, o novo altar, o novo cordeiro, o novo e eterno sacerdote, etc.
Hoje, para nós, a páscoa continua tendo o grande sentido de passagem. A cada dia e a cada momento, devemos passar de tudo aquilo que nos impede o acesso ao reino, a Deus e aos irmãos para uma situação diferente.
Temos, portanto, o grande desafio para nos tornarmos cristãos, não apenas católicos, que segnifica universal. O cristão é mais concreto e age de forma particular, seguindo o Cristo na sua real situação, carregando com ele a cruz e também com ele resuscitando através dos pequenos sinais de libertação.
Viver portanto a Páscoa, na liturgia cristã não significa frequentar as celebrações da semana santa, mas todos os Domingos acontece a Páscoa de Jesus em nossas vidas. Deste modo, a missa não é apenas mais uma celebração, mas, a mesma celebração da ceia que Jesus realizou. O ministro ordenado, ao celebrar, age na pessoa de Cristo. Ele, como sempre, continua a eterno e verdadeiro sacerdote que celebra. Quanto a nós, que participamos do mesmo pão e do mesmo cálice, somos chamados a colocar em prática as palavras: FAZEI ISTO EM MEMÓRIA DE MIM, ou seja, entregar o próprio corpo como ele fez pela humanidade inteira.
Na verdade, através de uma situação de injustiça e iniquidade, fruto da maldade humana, onde Jesus foi a vítima dos caprichos humanos, Deus, por sua vez deu o sinal de sua presença e resgatou o seu filho do mundo dos mortos, resgatando ao mesmo tempo a todos nós que nele fomos salvos.


Pe Bosco.

Prisoes

No mundo das Prisões


Peço desculpas aos formados em Direito e entrosados na justiça,pois, na minha ignorancia, vou refletir sobre o que percebo dentro deste ambiente ainda desconhecido por muitos.
Ultimamente, tem-se tornado comum as rebeliões, inclusive de grandes proporções, marcadas pelo aniquilamento de seres humanos. Este é um fato sobre o qual não se pode mais negar.
Quem está de fora, consegue apenas perceber que estes homens, na maioria, são realmente bandidos de alta periculosidade e ameaçam o sistema em todo Brasil. Vejam, por exemplo, as notícias sobre o PCC.
Na verdade, qual é a situação sobre a qual podemos nos debruçar?
Em primeiro lugar, nunca acontece uma rebelião sem que haja graves motivos. Os presos sabem que eles são os mais prejudicados quando se rebelam: numa fuga podem morrer; são punidos como agressores, no caso refens, como destruidores do patrimônio público, podem ser mortos ou refidos como sempre acontece pois ai prevalece a lei do mais forte que é o Estado. Os policiais, numa rebelião, ficam ansiosos para invadirem o recinto. (Não me venham com conversda pois conheço de perto).
Em segundo lugar, o movimento aconte quando o diretor e os agentes os trata de forma desumana; quando as reivindicações justas não são atendidas, como por exemplo, um banho de sol que deveria ser de uma hora, passa a ser de 15 minutos. Às vezes, nem isso lhes é concedido.
Em terceiro lugar, o prblema da justiça com a sua lentidão sobretudo de ordem burocrática. Vejam, por exemplo, uma pessoa deve ser presa e condenada para começar a cumprir a pena e ser reintegrada na sociedade. Essa condenação, às vezes não chega por culpa da burocracia. Recebi uma carta recentemente onde o preso está recolhido já há 4 anos, esperando uma condenação que não acontece. Respondam, não a mim mas à sua consciencia: o que você diria se esse homem fosse de sua família? Que chances tem esse homem para se recuperar? O que pensa da vida uma criatura humana nessa situação?
Tudo isso acontece. É bom dizer que nem sempre é culpa apenas do judiciário. Nesse processo existe uma figura importante que é o advogado de defesa que, muitas vezes, salvas as excessões, aprace na hora de receber o dinheiro, abandonando em seguida o seu cliente que espera anciosamente uma conversa, ao menos para saber a quantas anda o seu processo e nem isso lhe acontece.
Todos sabem, não seria necessário dizer que os clientes com bons advogados, conseguem com mais facilidade seus direitos, benefícios, etc Por isso, na verdade, são os pobres os que por mais tempo ficam na prisão, seja ela justa ou injusta.
Não poderíamos deixar também de lembrar que a causa principal que leva os pobres para a prisão é a droga, tanto a lícita quanto a ilícita. Ela, na verdade, provoca tudo. Enquanto o que repassa e até se torna usuário, vai para a prisão; o que enriquece às custas do mais fraco, continua ganhando dinheiro à medida que consegue envolver outros pequenos, até menores, para fazerem parte do comércio das drogas.
Pe Bosco

As drogas

Campanha da Fraternidade: Vida Sim, drogas não!

Nos anos idos de 64, a Igreja do Brasil iniciou, dentro do tempo da Quaresma, a CF. A cada ano, está um tema exposto para a reflexão, conscientização e ação dos cristãos.
Já pensei, como muitos, que a CF toma o espaço privilegiado da Quaresma, tão antigo e tão novo que a preparação para a Pascoa, pela oração, pela penitencia e pala conversão.
Hoje, consigo perceber que a CF, na verdade, só enriquece, com exigências novas a preparação para o mistério central da vida cristã.
Todos os temas que a igreja já refletiu continuam sendo desafiadores, no entanto, o tema atual tem caráter internacional, daí a sua complexidade para abordar o tema das drogas.
Muitos de nós ainda temos a ilusão que a droga está pelos morros do Rio e que nossa família se encontra distante daquela realidade que a televisão nos apresenta. Puro engano!
O grande problema que se torna ponto de partida começa em nossas casas. Na nossa cultura, não se faz festa sem que a bebida alcoolica esteja presente. Mesmo sem a festa a bebida se torna um componente essencial no bar que ocupa lugar especial na sala. A familiaridade dos nossos adolescentes com a bebida e o cigarro é muito traquila e pacífica.
Fazer uso de bebida e de cigarro, normalmente nas rodas de amigos é o caminho privilegiado para que por ele entrem as outras drogas. Digo as outras para colocá-las no mesmo nível da bebida e do álcool e para não chamá-las de drogas pesadas, o que não recomenda o texto da CF.
A família hoje possui muitas chagas para enfrentar. A pior delas é a convivência com a droga dentro da própria casa. Muitas vezes, a droga começa a ser repassada nas escolas, até através de balas, chocolates, que alguém distribui. O importante é que a pessoa possa viviar o seu organismo. Assim, a mesma terá necessidades de buscar a droga de qualquer maneira,como condição para manter o vício; primeiro tirando o que existe em casa; depois partindo para retirar de outros o necessário para que o vício seja “saciado”, o que nunca será possível, a não ser mediante mecanismos que intervenham através de tratamento ambulatorial, grupos de auto ajuda, comunidades terapêuticas, etc
Já ouvimos comentários sobre a impossibilidade de alguém se aproximar de uma família que esteja passando por esse tpo de situação, pois, o comportamento da família é fechar-se em si mesma. É necessário lembrar que não se esconde um doente em casa. Pelo contrário, se presta o socorro médico para que o mesmo não morra. O mesmo podemos dizer sobre a droga. O viciado é uma pessoa doente que precisa ser curada. Para isso, a solução está para o mundo exterior. Ninguém deve se envergonhar de determinadas situações que acontecem na própria vida. A solução consiste em enfrentá-las na busca de soluções.



Mons. Bosco
Vigário Geral

Politicas

Nos caminhos da Política
Mais uma vez passamos pela experiencia da politica partidaria, atividade sempre muito útil e necessária para o andamento da sociedade. Todos sabemos que é através da atividade política que a sociedade se organiza e também provoca mudanças na estrutura social, isso quando a política é exercida com consciência e responsabilidade.
A nossa experiência eleitoral neste ano tornou-se muito difícil, trazendo muitas dificuldades para a convivência. O grande problema é este: todos começam a enxergar em primeiro plano os seus interesses pessoais, é claro, pela difícil situação para a sobrevivência. Os políticos, por sua vez, sem nenhum projeto pessoal e social, sem escrupulo nenhum, aproveitam a frágil situação das pessoas e entram em um jogo sujo, da politicagem e ganham as eleições às custas da situação de miséria em que vive o nosso povo que aproveita o único momento que tem acesso ao político. Aliás, já estou nesta área da Santíssima Trindade em Guarabira, no segundo ano. Nunca vi estes bairros serem tão importantes e visitados como antes das eleições municipais. Isso tudo com uma clara explicação: sensibilizar o povo para o dia das urnas.
A tradição política que ainda vivemos é coronelista que não traz nenhuma novidade e nenhuma mudança social. Ser político hoje é em primeiro lugar para muitos uma fonte de renda. Não são poucos os eleitos que até semi analfabetos são e desempregados, que encontraram uma boa fonte de renda como políticos. A política, assim, torna-se profissão e não vocação. Pela profissão se faz o mínimo pois não existe amor a uma causa. A vocação política traz toda uma outra conotação.
Outra situação é a do status social. Existe uma continuidade familiar mesmo que os sobrinhos, netos, parentes, etc, não possuam nenhuma aptidão política, mesmo assim, é questão de honra manter o nome e a tradição daquele líder. O nosso povo, assim, continua votando para pagar os “favores” recebidos outrora, elegendo pessoas totalmente despreparadas para o exercicio político, confiando funções importantes, representativas que nem sequer um ofício sabem redigir, imaginem fazer uma elaborada reflexão sobre os problemas brasileiros e sobre as conjunturas políticas e econômicas do Brasil e do mundo.
Dada toda esta situação nós continuamos assistindo ao mesmo filme, às mesmas brigas vergonhosas. Aos ataques baixos sem nenhum respeito humano. Este é o quadro que caracteriza o comportamento de muitos dos nossos políticos a quem confiamos os destinos da vida pública do nosso município. “O povo tem o governo que merece” parece ser um princípio muito sério, não que mereça o mal mas por escolher aquilo que não é o melhor.
À custa de muitas brigas e divisões até familiares, os pequenos vão promovendo boas condições de vida aos grandes que depois voltam as costas para quem mais precisa. Os eleitores assumem a questão partidária nas campanhas enquanto o político tenta ser bom para todos.Quando eleito, que deveria ser bom para todos, assume a questão partidária, com as punições e perseguições. Assim como fez um prefeito não reeleito da nossa região. A sua primeira ação foi deixar os alunos universitários sem o transporte como forma de punição, comportamento este de alguém que não tem a mínima condição de ser político pois de democracia talvez nem a palavra conheça.


Mons Bosco
Vigário Geral

Agua

Falando das águas

Com o fim do racionamento da água em Guarabira, podemos fazer duas leituras:
primeira, graças a Deus saimos de uma situação, a mais crítica possível. Estávamos, todos, profundamente apreensivos com o fim das águas da barragem do Tauá, dois por cento. A única esperança que nos restava era a chegada das chuvas e nada mais. Da parte das nossas autoridades, a perspectiva era abastecer a cidade com carros. Imaginem o sofrimento!
Segunda, é muito fácil esquecer o que aconteceu. Temos muita facilidade de esquecer a história. Houve muito sofrimento com o racionamento, mas já passou, não vale a pena lembrar o passado.
Com isso, podemos pensar que estamos completamente livres da seca. Esta leitura é muito perigosa e prejudicial. Todos já sabem que a água armazenada não chega para um período de 2 anos. Significa que temos pouquissima água. Enquanto isso, João Pessoa tem água para 7 anos. Vale salientar que o nosso reservatório é insignificante. Aqui é que reside a causa da seca. Você já imaginou se a água deste inverno tivesse sido armazenada? É certo que íamos terr água por muitos anos.
É claro que a nossa esperança é de que chova normalmente no próximo ano, mas, pode acontecer o contrário. Com isso quero dizer da responsabilidade que todos temos para economizar a água que é nossa e que dela depende a nossa vida. Infelizmente ainda somos daqueles que dizem: eu pago. O problema não é este, o problema é você poder pagar e não Ter o que comprar, pois, pelas estatísticas, que bom seria que fossem falsas, o futuro estará comprometido pela falta da água.
É preciso que tenhamos a consciência de que a água é como o remédio que não pode faltar em nossa casa, quando doentes, porque dele depende a nossa vida.
Assim é com a água, nela está a mais rica fonte da vida que deve ser preservada com muito carinho.
Não seja um irresponsável, colocando-se contra si mesmo e contra a sua vida.


Padre Bosco.

Voce e os outros

Você e os Outros
Certamente você é uma das pessoas que reclama demais com a sua vida. Deus já foi chamado muito vezes à atenção por você, por se sentir injustiçado per Ele. Você pensa que tudo tem dado errado em sua vida. Tanto que você reza, no entanto, nada dá certo. De fato, Deus deixou de olhar e de lhe atender em suas necessidades.
Será que você tem razão ? pense um pouco. Você já passou grandes necessidades,além do normal? Já ficou doente a tal ponto que fez a experiência da morte? Já vivenciou em sua vida ou na vida de sua família grandes sofrimentos? Se estas pergundas forem respondidas de forma negativa, você não tem tantos motivos tão graves para reclamar de sua vida e sobretudo blasfemar contra Deus.
Olhando bem, a nossa vida que parece a mais desgraçada de todas, pode ser a mais privilegiada diante de situações outras.
Na história da humanidade, e até ao nosso redor, as experiências de sofrimento se acumulam demais. Até chagamos a nos perguntar o por que de tanto sofrer, o que na verdade causa tanto sofrimento.
O que existe de mais grave na nossa cultura é atribuir,sobretudo a Deus, as dores e os sofrimentos. Aquele que nos criou para a vida, a felicadade e o bem, como poderia nos torturar pela negação da vida?
Poderíamos, então, nos perguntar, porque então o sofrimento, de onde ele procede?
Em primeiro lugar, ele está inerente em nossa constituição humana. A vida de todos os seres está marcada pela alegria e pela dor. Em segundo lugar, nós podemos também antecipar o sofrimento. Ou seja, existem caminhos que noas conduzem mais facilmente para o sofrimento. Estes, precisaríamos tentar evitá-los. Assim, poderíamos colaborar com o Deus da criação e da vida.
Cetamente você conhece a narrativa sobre um personagem chamado Jó. Ele fez uma triste experiência do sofrimento. Tentaram, de todas as maneiras, de convencê-lo, que Deus seria o causador daquela situação e Jó se manteve fiel até o fim.
Em Deus não pode existir contradição. Uma contradição imensa seria aquela que promove a vida ser capaz de ceifá-la de forma desumana e arbitrária, como por exemplo, por ocasião de um acidente.
O sofrimento em si não é bom. Ele só tem dimensão redentora quando, sem nenhuma outra possibilidade é assumido e oferido ao Pai, na busca da sua vontade, como Jesus na hora da sua Paixão.Jamais nos esqueçamos que o sofrimento é a atapa anterior que nos leva a Deus. Passar por ele é condição que não podemos evitar,no entanto, não foi para ele que Deus nos criou mas para a felicidade definitiva, para o banquete eterno. Também não esquecer que é possível aliviar a angustia e o sofrimento, diante de uma situação de maior sofrimento.
Pe Bosco

Adolescentes

A Questão do Menor


Em todas as cidades do nosso país, convivemos com uma dificuldade de dimensão social que é a problemática do menor. Muitos dentre eles, meninos e meninas, estão vivendo na rua e da rua ou nas Febens da vida. Sobre essa situação, o que poderíamos refletir ?
De um lado, encontramos a reação da sociedade que age pelo emocional e sempre prescindindo da possibilidade de não Ter menor delinquente na propria familia. De outro lado, encontramos o Estatuto da Criança, no seu décimo anivérsario em 13 de julho do corrente ano, que trata das medidas sócio educativas para o menor. Com esse Estatuto, uma mentalidade preconceituosa se estabeleceu na nossa sociedade de que não existe punição para o menor. Não podemos nos esquecer que o menor ao cometer infrações graves, será afastado do convívio social e será recolhido até por 3 anos ou mais para, através de medidas reeducativas, ser devolvido à sociedade. Por isso, não se pode condenar o ECA, como omisso pois omissa e a nossa sociedade e todos nós. O que você acha, de um adolescente ser preso até por 3 anos em nome de ser reeducado quando esse recolhimento não passa de uma simples prisão? Que tal se uma dessas medidas fosse aplicada a um dos seus filhos. Não podemos e não temos o direito de condenar e atirar as pedras nos outros. Temos que pensar de forma racional. Grande parte dos menores que estão nas ruas das cidades, são vítimas do desemprego. Alguém pode ficar muito aborrecido com um menor que incomoda. No entanto, esse menor pode ser filho de algúem que foi demitido do trabalho de forma até injusta. Você demitindo uma pai de família, ou não lhe concedendo a possibilidade do emprego, estará contribuindo para que o menor esteja faminto na rua. Vejam que o problema não é da justiça ou da polícia,mas social, econômico e político.
Os problemas são muitos e sobre eles todos falam, no entanto, poucos investem nas soluções. Em Guarabira, a experiencia da AMECC é única no Estado, com a estrutura que ela contém, não apenas em termos de espaço e de acolhimento, mas de formação, com seu quadro de escola,lazer, vida comunitária, orações, etc. Esta experiência que cumpre papel do Estado, que deveria ser muito mais assumida pelo Estado e pelo Município, deixa ainda, e muito, a desejar. O mesmo podemos dizer a nível da sociedade e das comunidades especialmente de Guarabira. Infelizmente a omissão ainda é muito grande. Todos nós, infelizmente, somos assim: sabemos cobrar demais e reclamar bastante, no entanto, pouco fazemos ou percebemos ser necessário fazer.
Considerando que a AMECC acolhe menores de outras cidades, ela deveria ser também ajudada pelas referidas cidades. Uma ajuda muito necessária, do dia-a-dia, é a alimentação.
Nós todos, portanto, somos convidados a não apenas criticar mas dá a devida colaboração como gesto e sinal da caridade evangélica.
Padre Bosco

Realidade

Olhando ao nosso redor

Olhando ao nosso redor , a situação social está da forma mais grave possível. As greves váo despontando em todas as categorias da sociedade. Até quem ganha mais que o suficiente para viver, também já aprendeu o exemplo dos pobres e tem se manifestado com ameaças de greve. Vamos para um caminho em que tudo estará paralisado: saúde, policiais civis, militares e federais, educaçáo, operários, caminhoneiros, sem terra, sem teto etc Nunca aconteceram tantas manifestaçóes neste País como nestes tempos que encerram o segundo miiénio.
Como tem sido o comportamento das autoridades, diante destes fatos: primeiro, existe a politica de vencer as categorias, náo pelo diáiogo mas pelo cansaço. Esta é a democracia que respiramos. A autoridade se tranca e póe a polícia ao seu redor para náo ser incomodada. Onde se viu que o representante do povo se esconda para náo atendé-lo, se feche ao diáiogo? Segundo, reprime as manifestações, usa da força até das armas, para acabar as manifestações justas e ordeiras, pois a desordem parte das próprias autoridades que de forma desumana náo investem no bem e em melhores condiçóes de vida para o povo.
Infelizmente, o único recurso para os excluidos da vida social é a manifestação pública através da greve. Bem que tem razão o Bispo Emérito de Goiás, Dom Tomaz Balduino, quando defende a ocupação pacífica dos prédios públicos e com ele eu estou de acordo.
Aqui em nosso Estado, os policiais militares que partìciparam da greve, estáo sendo indiciados, perseguidos, acusados de desobediéncia ou crime. Se eles pedem nos postos de poiícia, sáo criticados, se podem aumento de saiárío, náo recebem, se roubam, estáo errados. 0 que fazer ? para mim, estáo totalmente certos pela greve que fazem e também estáo certos quando pedem esmola na operapáo Manzuá. Melhor assim do que entrarem em outros esquemas desonestos. Quem sobrevive com a famíiia, com um saiárìo mínimo náo tem sequer seguranga propria, corno vai cuidar da segurança dos outros?

0 quadro grave do nosso País é a questáo social que se torna sempre mais grave na medida em que nela não se investe. O clime parce de uma guerra civil. No entanto, para conter os pobres que não são atendidos e escutados, agora se estuda a reelaboração da Lei de Segurança Nacional.







Padre Bosco

Oração

Nosso Deus,
Criador e Pai,

Celebramos, agora,
O mistério da ressurreição
Do Vosso Filho Jesus Cristo.
Presente na Eucaristia,
Corpo doado e sangue derramado.

Nós vos damos graças,
Por essa imensa bondade.
Para nós, que cremos,
A morte foi vencida,
(Novo Céu e nova terra)
O inimigo derrotado
Para sempre.

Nós vos pedimos,
A graça da confiança
Em vosso Espírito dentro de nós,
A nos iluminar
A nos guiar os passos
Nas penumbras da noite

Concede-nos,
A graça e a força
A fé e a coragem
Pela força da vida
A construirmos:
Fraternidade,
Igualdade,
Pois assim,
Nos encontraremos,
Todos,
Um dia,
Na eternidade,
AMÉM.

Pe Bosco

Batismo

NAS ÁGUAS DO BATISMO


No capitulo 2 do Evangelho de São João encontramos a conhecida conversa de Jesus com Nicodemos sobre o tema da vida eterna, momento em que Jesus insiste que é necessário nascer de novo pela água e pelo espírito. Nesta cena e neste binômio a igreja primitiva trabalhou a fundamentação da catequese batismal.
Não temos duvidas. Nascemos biologicamente numa família humana, santuário da vida, mas temos que nascer para uma família maior, a comunidade visível da salvação que é a Igreja, ressurgindo das águas, como no dilúvio, como Moisés, como a povo que atravessou o mar vermelho, só para rememorar alguns acontecimentos marcantes da nossa historia.
A água no batismo, como nos fatos elucidados, é sinal de morte para o mundo e para o pecado (somos sepultados com Ele) e com Ele também ressuscitamos passando pelas águas.
As pias batismais em nossas igrejas deveriam ter lugar de destaque e muita importância, pois, na patristica, os padres já enxergavam na Pia o símbolo do útero onde a mãe igreja gera e faz acontecer o novo nascimento pela força da graça de Deus. A água que se derrama na cabeça significa a comunicação da graça que renova e transforma ontologicamente o ser em nova criatura. Já não somos apenas terrenos, mas pela participação no mistério de Cristo, já carregamos conosco a beleza do céu, nascidos do alto.
Toda esta riqueza ainda dista muito das motivações que comumente temos na nossa experiência batismal, tanto familiar quanto pastoral, muito marcada pela mera exteriorização, onde se relega o dado profundo da comunhão com Deus é se exalta o cultural, o social com o vazio da festa.
O batismo é o momento à nossa pertença à comunidade cristã que é a igreja corpo de Cristo que se compõe dos mais variados membros dos quais fazemos parte, condição para termos a seiva da vida. Isso significa que não podemos alimentar ilusões de uma vida cristã individual ou familiar apenas como, às vezes, se pretende.
A vida gerada no seio da mãe igreja, deve, necessariamente, ser alimentada e colocada em pratica a partir da experiência da Tradição e da própria igreja que prolonga na Historia as palavras e os gestos de Jesus.
Sintamos, portanto, irmãos e irmãs, a imensa alegria da nossa pertença a Cristo a partir do simples mas grande e profundo gesto da água e da unção para a vida cristã e para a missão do cristão como a atuação do mesmo Cristo e Senhor na nossa historia. Comemoremos, portanto, como no nosso nascimento, o aniversario do nosso BATISMO como nascimento para DEUS.

Pe Bosco.

Pensamentos

1. Jesus, ao nascer, iluminou a escuridão da humanidade tornando-se para ela o rumo certo.
2. Afastar-se de Deus é viver a eterna escuridão da existência.
3. Maior que a grandeza do universo é o seu criador.
4. Para a origem de tudo só mesmo o Criador
5. Sentir-se o centro é não perceber o mundo ao seu redor.
6. Em toda criação só no coração da pessoa humana está o próprio Deus pela sua capacidade de amar.
7. Em todo gesto de bondade Deus está presente por mais ausente que o imaginemos.
8. Por mais insegura que seja a vida, mais se deve buscar alternativas para viver.
9. Se não fizéssemos a experiência do sofrimento, não entenderíamos a importância da ressurreição.
10. Confiar é preciso, colaborar é uma necessidade.

Pensamentos

1. Agir por medo é não considerar a própria consciência.
2. Acordar sonhando e não encarar a realidade é permanecer no sonho.
3. Justos são todos aqueles que por intenções e por atos jamais compactuam com qualquer injustiça.
4. No final de cada dia, a contemplação do anoitecer com a consciência do dever cumprido.
5. A noite é escuridão e mistério mas contém a luz do amanhecer.

Pensamentos

1. Prisão interior é condicionamento para a liberdade.
2. Se és livre, nenhuma prisão poderá te conter, nem mesmo a morte.
3. Sonhar é preciso, assumir a realidade é uma necessidade.
4. A mais limitada de todas as criaturas é aquela que não consegue enxergar seus próprios limites
5. Viver experiências que não condizem com a realidade é assumir ilusões.

Pensamentos

1. Palavras pronunciadas, palavras esquecidas; ação vivida, testemunho guardado.
2. A transformação do mundo só será possível se for motivada pelo amor.
3. Para não ofender ao criador respeite a criatura.
4. Prisão é sinal de morte e ausência de liberdade.
5. Só pela liberdade interior é possível enfrentar a prisão.

Pensamentos

1. Os pobres nem são melhores nem piores: são sem oportunidade.
2. Pobreza e miséria não se juntam; uma é virtude quando assumida como opção; outra é pecado porque é imposta.
3. O maior pobre é o rico sem misericórdia.
4. Se és pobre com dignidade, te tornas rico; se és rico sem sensibilidade, te tornas miserável.
5. Entre as palavras e as ações, as que permanecem merecem maior atenção.

Pensamentos

1. Quem sabe escutar tudo pode compreender. Se a razão não tiver condições de refletir, o coração será espaço para acolher.
2. Quem caminha na esperança e iluminado pela fé, atinge o infinito.
3. Quem aprendeu a servir sabe porque vive.
4. Estar bem com a vida é saber viver cada momento com sua particularidade.
5. Não morre quem perder a sua vida a serviço do seu próximo.

Pensamentos

1. Quem de fato reza, contempla Deus no horizonte bonito da natureza e no trapo humano, imagem de Deus.
2. Quem ama e perdoa, compreendeu e assimilou o agir do próprio Deus.
3. Amigo não é aquele que se aproxima e dialoga: é aquele que estando ausente respeita e defende por Ter amizade.
4. Palavra pensada e vivida, quando comunicada é compreendida.
5. Simplicidade é sinônimo de grandeza; grandeza sem simplicidade é indigência.

Pensamentos

1. Um gesto de amor não se repete. Em cada ato a conjuntura é nova e a resposta é diferente.
2. Quem não sabe perder não se refaz e não cresce.
3. Recomeçar depende da tomada de consciência diante da crise.
4. Quem é arrogante procura Ter o mundo diante de si, a seu serviço e no seu controle.
5. Quem quer ser o centro, despreza o Centro de tudo que é o próprio Deus.

Pensamentos

1. Doação é compromisso de quem ama.
2. Quem ama tem Deus; quem não tem Deus não ama.
3. Só no respeito ao próximo e no encontro com ele é que será possível chegar a Deus.
4. Se Deus está ausente é porque nos ausentamos. Na verdade Ele nunca se afastou porque Ele está em tudo e todos.
5. Em toda e qualquer circunstância da vida uma só coisa é necessária: amar.

Pensamentos

1. Não devemos por nenhuma segurança nos bens que possuímos porque eles nos afastam daquele que nos protege.
2. Nascemos para a vida e vivemos para a morte: assim chegamos a viver.
3. Quem ama não é capaz de se negar mas se entregar e dar a própria vida.
4. Amor e ódio são tão antagônicos como os céus e a terra
5. Somos criados, fruto do amor, e nossa vocação é amar. Mesmo assim, convivemos com a experiência de odiar.

Pensamentos

1. Se você está bem com a vida, louve e agradeça a Deus. Momentos assim são curtos e passageiros. Os momentos amargos também fazem parte da existência humana.
2. O tempo que Deus nos concede é suficiente para fazermos o bem. Devemos aproveitá-lo antes que ele passe sem que façamos caso do mesmo.
3. Como não lembramos o dia a dia dos anos idos, assim acontecerá conosco, passada a nossa vida terrena.
4. Os dias vividos mergulham no infinito: sobre eles ficam vagas lembranças.
5. Quem age com prudência demonstra Ter sabedoria.
6. Discernir diante dos inúmeros desafios da vida é criar condições para a agir.

Pensamentos

1. Tenha, para com Deus, o maior gesto de amor e tudo lhe ofereça, pois tudo foi por Ele lhe concedido.
2. Se eu sábio fosse, sábio seria.
3. Nas escaladas da vida, quanto mais eu estou subindo, mais eu estou descendo.
4. A dimensão mais importante e definitiva da vida está no eterno.
5. Quem nega algo a qual quer uma das criaturas humanas nega-se a si mesmo.A grandeza do humano está na sua capacidade de se renovar e crescer constantemente

Pensamentos

1. Infeliz a pessoa que não reconhece suas faltas e não aceita seus limites: ela será sempre infeliz
2. mundo está aí: para uns, perdido; para outros, talvez haja solução; para o cristão, como última palavra a certeza de um mundo novo.
3. A pessoa mais religiosa é aquela que entrega a sua vida pelos outros. Sem fé ou sem querer, assume a causa de Jesus.
4. Não se desespere pois tudo passa. Nada permanece, a não ser o eterno.
5. Em determinados momentos, não haverá nenhuma possibilidade de espera. Mesmo assim, a esperança permanece.

Pensamentos

1. Quem é cego, olha para dentro de si e consegue enxergar o mundo. Quem enxerga, olha para o mundo e nada consegue ver porque não é capaz de olhar para dentro de si.
2. Quem está com o seu coração voltado para o próximo está em Deus o seu coração.
3. Diante de todos os sentimentos do seu coração, procure amar porque o amor é tudo, o amor é o próprio Deus.
4. Sorrir nem sempre é sinal de alegria, pois, a alegria, nem sempre é externa. Ela é também um sentimento .
5. Ser feliz na vida é viver em paz. E a paz não é acomodação mas promoção da unidade.
6. maior sábio deste mundo é aquele que quer sempre aprender porque tem consciência que não sabe.
7. Alguns se comunicam escrevendo; outros se comunicam com a vida. As palavras passam e a vida permanece.A maior grandeza do humano será a sua fragilidade e sua pequenez

Pensamentos

1. Quem quer ser o centro, despreza o Centro de tudo que é o próprio Deus.
2. Quem de fato reza, contempla Deus no horizonte bonito da natureza e no trapo humano, imagem de Deus.
3. Quem ama e perdoa, compreendeu e assimilou o agir do próprio Deus.
4. Amigo não é aquele que se aproxima e dialoga: é aquele que estando ausente respeita e defende por Ter amizade.
5. Palavra pensada e vivida, quando comunicada é compreendida.
6. Simplicidade é sinônimo de grandeza; grandeza sem simplicidade é indigência.

Pensamentos

1. Para não ofender ao criador respeite a criatura.
2. Prisão é sinal de morte e ausência de liberdade.
3. Só pela liberdade interior é possível enfrentar a prisão.
4. Prisão interior é condicionamento para a liberdade.
5. Se és livre, nenhuma prisão poderá te conter, nem mesmo a morte.
6. Sonhar é preciso, assumir a realidade é uma necessidade.
7. A mais limitada de todas as criaturas é aquela que não consegue enxergar seus próprios limites
8. Viver experiências que não condizem com a realidade é assumir ilusões.
9. Agir por medo é não considerar a própria consciência.

Pensamentos

1. Quem de fato reza, contempla Deus no horizonte bonito da natureza e no trapo humano, imagem de Deus.
2. Quem ama e perdoa, compreendeu e assimilou o agir do próprio Deus.
3. Amigo não é aquele que se aproxima e dialoga: é aquele que estando ausente respeita e defende por Ter amizade.
4. Palavra pensada e vivida, quando comunicada é compreendida.
5. Simplicidade é sinônimo de grandeza; grandeza sem simplicidade é indigência.

Pensamentos

1. Se Deus está ausente é porque nos ausentamos. Na verdade Ele nunca se afastou porque Ele está em tudo e todos.
2. Em toda e qualquer circunstância da vida uma só coisa é necessária: amar.
3. Um gesto de amor não se repete. Em cada ato a conjuntura é nova e a resposta é diferente.
4. Quem não sabe perder não se refaz e não cresce.
5. Recomeçar depende da tomada de consciência diante da crise.
6. Quem é arrogante procura Ter o mundo diante de si, a seu serviço e no seu controle.

Pensamentos

1. Quem ama e perdoa, compreendeu e assimilou o agir do próprio Deus.
2. Amigo não é aquele que se aproxima e dialoga: é aquele que estando ausente respeita e defende por Ter amizade.
3. Palavra pensada e vivida, quando comunicada é compreendida.
4. Simplicidade é sinônimo de grandeza; grandeza sem simplicidade é indigência.

Pensamentos

1. Por mais insegura que seja a vida, mais se deve buscar alternativas para viver.
2. Se não fizéssemos a experiência do sofrimento, não entenderíamos a importância da ressurreição.
3. Confiar é preciso, colaborar é uma necessidade.

Pensamentos

1. Afastar-se de Deus é viver a eterna escuridão da existência.
2. Maior que a grandeza do universo é o seu criador.
3. Para a origem de tudo só mesmo o Criador
4. Sentir-se o centro é não perceber o mundo ao seu redor.
5. Em toda criação só no coração da pessoa humana está o próprio Deus pela sua capacidade de amar.

Pensamentos

1. Acordar sonhando e não encarar a realidade é permanecer no sonho.
2. Justos são todos aqueles que por intenções e por atos jamais compactuam com qualquer injustiça.
3. No final de cada dia, a contemplação do anoitecer com a consciência do dever cumprido.
4. A noite é escuridão e mistério mas contém a luz do amanhecer.