Pesquisar este blog

quarta-feira, 22 de julho de 2015

2014 ATITUDES DO PAPA FRANCISCO



Muitas pessoas que se dizem cristãs e que estão dentro das igrejas, ignoram e fazem muitas críticas ao trabalho que é feito com as pastorais sociais, sobretudo com a pastoral carcerária.
Para estas pessoas que pensam assim e nos acusam de defender bandidos e que a igreja deveria ter outras preocupações, segue aqui a resposta. Para quem admira o papa Francisco admire e aceite também as suas atitudes.
"Na manhã desta quarta-feira (19), antes de dirigir-se à Praça São Pedro para a Audiência Geral, o Papa Francisco recebeu na Casa Santa Marta, no Vaticano, um grupo de 19 detentos dos Cárceres de Pisa e de Pianosa. “Esta é a vossa casa”, disse o Papa aos visitantes.
Os detentos realizavam uma peregrinação a Roma, no âmbito de um caminho espiritual, acompanhados pelos capelães Pe. Roberto Filippini e Pe. Luigi Gabriellini. O grupo participou da Missa celebrada nas Grutas Vaticanas às 7h15min, presidida pelo Arcebispo Dom Lorenzo Baldisseri.
Informado das suas presenças, o Pontífice manifestou desejo de encontrá-los pessoalmente, acolhendo-os então às 9 horas, na sua residência, a Casa Santa Marta, por 45 minutos. O Pontífice rezou com, e por eles, e os abençoou diante da imagem de “Nossa Senhora Desatadora dos Nós”.
A responsável pela área educativa do Cárcere Dom Bosco, de Pisa, Liberata Di Lorenzo, disse que o Papa lhes contou “a história de Nossa Senhora Desatadora dos Nós e diante daquela imagem, muito evocativa em função da situação, tiramos uma fotografia juntos”. “Um dos detentos – continuou Di Lorenzo – estava literalmente paralisado de medo e emoção, não tinha nem mesmo a coragem de aproximar-se, pois não se julgava à altura daquele encontro”. “Ele me disse – concluiu Di Lorenzo – que na sua vida nunca teve medo em situações muito perigosas e difíceis, mas estava agora, e me pediu para acompanhá-lo na saudação ao Papa, pois não tinha força de fazê-lo sozinho”.
O Arcebispo Baldisseri definiu o encontro como “belíssimo, comovente”. "O Papa – disse o prelado – quis saudar e abençoar um a um. Os encorajou muito. O seu foi um sinal de grande paternidade em relação às pessoas empenhadas em um percurso espiritual”. Os detentos de Pisano que encontraram o Papa participam dos encontros de catequese promovidos no Instituto Dom Bosco. A delegação de Pisa era formada por 8 detentos, 7 homens e uma mulher, a única entre os 19 reclusos. Entre os detentos de Pianosa, por sua vez, estavam também latinos".

Texto tal qual foi divulgado pela Rádio do Vaticano.

pebosco@yahoo.com.br


Nenhum comentário:

Postar um comentário