Pesquisar este blog

sábado, 25 de setembro de 2010

Como lidar com os outros

Não podemos viver neste mundo para fazer o mal, somos chamados a fazer o bem. Fomos criados por amor e somos chamados a amar. O mal nunca deve ser pago com o mal, mas o mal com o bem. O ser humano é muito complexo em todas as suas dimensões, por isso, é propenso ao mal.
Infelizmente o mal se faz presente em todos os lugares e assume proporções grandes no mundo pelo fato de nos deixarmos levar pelas más inclinações e, sobretudo, por pagarmos o mal com o mal.
Pelo fato de sermos uma comunidade cristã no sentido mais amplo da palavra, feita de pessoas que tem cristo como referencia, não significa que somos uma comunidade seguidora do mestre Jesus quando não defendemos as suas convicções e princípios de justiça, fraternidade, amor, perdão, reconciliação.
A violência que reclamamos por nos meter medo de sermos vitimas dela, somo também como sociedade, responsáveis pela sua existência. Não construímos uma cultura de paz quando somos a favor dos massacres e das torturas.
No nosso país, TORTURA é crime. Existem muitas pessoas que torturam e outras que defendem a pratica da tortura. Como nós queremos uma sociedade sem violência e sem crime quando nós defendemos uma pratica criminosa?
Quando alguns policiais prendem uma pessoa e, já dominada, entregue, ela é torturada e submetida a tratamento cruel e desumano, aqueles policiais estão tendo uma pratica criminosa, ao invés de prestarem um bom serviço à sociedade. A mesma coisa quando em uma casa de detenção os responsáveis submetem as pessoas ali reclusas a tratamento desumano, numa situação em que a pessoa não pode reagir nem se defender, é crime. É o crime da covardia.
Nunca uma sociedade superará a violência, estando de acordo com ela. Quem pratica a violência, de alguma maneira acaba sendo vitima dela. Aquela velha observação: “quem bate, esquece, quem apanha leva as marcas para o resto da vida.” A vingança nunca deveria acontecer, mas, a falta de consciência cristã faz com que muitos atos violentos aconteçam por causa disso.
Por isso, numa sociedade de humanos, a prática deverá um dia ser outra baseada nas orientações e nas praticas de Jesus para que nunca de utilizem os instrumentos de violência, de tortura e de mortes em nenhuma situação e para nenhuma finalidade.
Quem julga também é julgado; quem condena, também é condenado; como medimos os outros também seremos medidos. Vejam que devemos buscar toda outra maneira de lidarmos, sobretudo com aquelas pessoas que mais culpadas ou menos culpadas são rotuladas para o resto da vida. Sejam elas as culpadas ou não os crimes a elas são atribuídos.
Nas questões criticas da nossa sociedade, parece que não temos mais racionalidade e tudo é trabalhado e discutido no plano da emoção que sozinha não é capaz de construir conceitos e opiniões que incluam todas as dimensões necessárias para a questão ou a pessoa em pauta.
O nosso falar e o nosso agir precisa ser claro, mas cauteloso e prudente. Todos os seres humanos são fracos e, portanto, sujeitos a todo e qualquer erro. Daí que não devemos ter tanta segurança. Como diz a sabedoria do apostolo Paulo: “quem estiver de pé, tenha cuidado para não cair. (I Coríntios 10,12)”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário