Pesquisar este blog

domingo, 24 de outubro de 2010

Encontros em Brasília.

No dia 18 de outubro de 2010, participei em Brasília de duas reuniões. Na primeira, estavam reunidos representantes dos estados brasileiros, para apresentar à coordenação Geral de Combate à Tortura, como anda o processo de criação dos Comitês Estaduais de Combate à Tortura.
Alguns estados já estão com seus comitês criados; outros estão em processo, como a Paraíba que se encontra com o projeto na casa civil do governador. Os estados brasileiros todos constatam a tortura como uma pratica comum em ambientes privativos de liberdade. É claro, por parte do governo brasileiro o principio fundamental é de combater esta pratica maléfica.
Outro momento que tive foi a oportunidade de participar da XVIII reunião de altas autoridades em Direitos Humanos e Chancelarias do MERCOSUL e Estados Associados.
A reunião teve como finalidade ouvir de cada país como anda o processo de combate à tortura. Em todos os lugares existem pessoas se movimentando, refletindo e agindo com a finalidade de eliminar esta pratica.
O Brasil também se manifestou. Tem havido uma grande preocupação da Secretaria de Direitos Humanos nesta temática e se tem feito um trabalho de formação pelos estados a fora. É claro que as deficiências ainda se arrastam. O Depen, órgão que tem a missão de acompanhar o sistema penitenciário nacional, se apresentou e colocou um pouco da situação brasileira. Até o final do ano, o Brasil terá 500, 000 presos e presas. São 1.700 unidades prisionais no país que deveriam ser fiscalizadas o que não é possível.
Nos finalmente, como falta uma política publica para o sistema penitenciário, os estados empurram com a barriga a situação, fingindo e fazendo de conta que a situação é tranqüila. Cada estado, no âmbito oficial, se desculpa e coloca a sua situação como melhor em relação aos demais. O que é grave e desonesto, como já ouvimos repetidas vezes aqui na Paraíba, que aqui não existe tortura.
É interessante como este processo que vai acontecendo em todos os estados e países do mundo, contra a tortura, é algo irreversível. Trata-se de um movimento que não será mais contido. Existem pessoas que praticam e que defendem a tortura, mas, por outro lado, os que são contra e denunciam os torturadores.
A denuncia e a divulgação da tortura como crime é uma ação que todas as pessoas, de sã consciência precisam fazer e se faz sem recurso, usando os meios que estão ao nosso alcance. A tortura é um dos crimes mais graves, pois ela acontece na covardia e pela força institucional de nossos estados em delegacias e prisões. É denuncia é um mecanismo de controle contra esse crime. Quem conhece praticas de tortura procure uma forma de denunciá-la. O ministério Público tem a tarefa de denunciá-la, como também os Conselhos de Direitos Humanos, os Conselhos Tutelares, Conselhos da Criança, etc. Jamais poderemos nos calar. O medo fortalece a tortura. Nenhum governo quer passar para a historia como torturador. Por isso, devemos torná-la exposta como forma de combatê-la. Tortura é crime hediondo, isto é, horrível, repugnante, asqueroso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário