Pesquisar este blog

quarta-feira, 20 de julho de 2011

Tortura


A pastoral carcerária nacional está circulando em seu site um texto com depoimentos de pessoas que ao serem presas foram torturadas. Lembra o texto que depois de 20 anos dos chamados anos de chumbo ainda convivemos com as praticas de tortura: “Sevícias como pressão psicológica, choques, espancamentos, violência sexual e assassinatos ainda fazem parte do cotidiano de delegacias, batalhões da PM, presídios e unidades para adolescentes infratores.”.

Na realidade, continuamos com a covardia de um estado que tem a missão de proteger seus cidadãos.

 Vamos a alguns testemunhos do texto da pastoral. Contra fatos não há argumento. Aqui estão os fatos.

Neste primeiro fato fala a mãe de Vinicius:

“Torturaram e mataram meu filho dentro da delegacia”.

 “Quero que os responsáveis sejam punidos.”

 Indaiá Moreira, 43 anos, mãe de Vinicius.

Ninguém consegue saber o numero dos que já morreram em delegacias e prisões.

Neste segundo depoimento fala a própria vitima.

“Eram cinco policiais me batendo e me xingando;

 Davam socos e tapas. Tentaram me chutar no rosto,

 mas, me protegi com as mãos e fiquei com os dedos machucados”.

 T., 42 anos, trabalha num ferro-velho do Rio.

Neste terceiro testemunho, fala a avó que presenciou o ambiente ao fazer uma visita:

“Tinha menino com o pé quebrado, com pontos na cabeça, com o dedo decepado”.

 J. 62 anos, avó de um interno da Unidade 28 da Fundação Casa.

Em todos os estados do Brasil, a exemplo do que já aconteceu na Paraíba, o governador Ricardo Coutinho sancionou a lei de prevenção e combate à tortura, criando um comitê representativo da sociedade civil e dos órgãos governamentais para inspecionar os ambientes onde existe a possiblidade da tortura.
Como se pode perceber, a tortura tem sido um grande mal em nosso país e no mundo, sobretudo quando praticada por pessoas que fazem às vezes do estado, para massacrar pobres, negros e pequenos. Os fatos são inúmeros com relatos diversos onde são nas áreas pobres todos são suspeitos e tratados como pessoas criminosas.
Vivemos, portanto, nessa triste realidade: o estado se torna criminoso querendo combater o crime através da pratica de alguns policiais que se revestem de poder para humilhar, torturar e matar. Noticias sobre esta realidade triste estão espalhadas pelos estados brasileiros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário