Pesquisar este blog

domingo, 7 de novembro de 2010

Relações no Brasil.

O período eleitoral foi o mais conturbado que vivemos nestes últimos anos. A postura dos candidatos, como também das pessoas e das instituições aconteceu de maneira muito equivocada. Os candidatos usaram de tudo, sem respeito e sem propostas claras, para convencer o eleitorado. Tivemos um jogo muito sujo. Quem era ficha limpa, não conseguiu permanecer limpo: usou de comportamento sujo.
As eleições deste ano ainda nos revelaram que não nos comportamos como nação a não ser no futebol quando joga o Brasil. Ficou muito evidente que somos uma nação dividida quando se trata de defender interesses. Não há um interesse comum, mas de grupos e de privilégios como sempre houve no Brasil. A direita jamais se conforma por ter sido governada por um nordestino que se destacou como um dos maiores presidentes do Brasil. Alem do mais conseguiu eleger uma mulher para lhe substituir. Isso em um país machista é inédito. Por isso, usa-se o preconceito e a discriminação por causa da ideologia. É sinal de que o Brasil não cresceu ainda em sua mentalidade e sua cultura. De fato, vivemos o atraso e os resquícios da direita e do militarismo que se conflita com a democracia.
O Nordeste que sempre foi mau visto e discriminado, nestas eleições tornou-se objeto de total discriminação pela região mais rica que os nordestinos ajudaram a construir com sua força.
É a classe mais rica e de direita de manifestando de forma criminosa contra seus patrícios. Ales do crime de racismo que felizmente está denunciado, esse comportamento é um desrespeito e um atentado contra a democracia. Não estamos mais na ditadura e obrigados a votar em que se quer. Se o Nordeste votou como quis tem seus motivos que devem ser respeitados e aceitos por todos. Vence a maioria.
Agora, terminada a eleição, estão postos os desafios:

Cada região do País deve ser respeitada e reconhecida com seus valores e com sua cultura. A região Sul, como se comportou através de alguns de seus membros, precisa rever sua mentalidade mesquinha e antidemocrática.

Ninguém administra sozinho. Cada administrador precisa ser humilde, escutar os outros e cumprir seus compromissos e promessas. O povo não vota mais em candidato que não honre seus compromissos. O povo não se deixa levar por promessas que beneficiam apenas o candidato.

A droga é o maior desafio dos nossos tempos por estar presente em toda parte e por ser uma fonte altíssima de riqueza. Combatê-la é um imenso desafio. Significa contrariar privilégios e mexer com grandes estruturas. Só os pobres e pequenos traficantes são punidos.

A má distribuição de renda é ainda um dos males que alimenta a desigualdade. A miséria persiste em nosso país exatamente pela falta da distribuição dos bens. O Brasil cresce economicamente para os ricos e não para os pobres.

No nordeste continua a seca, o analfatebismo, o desemprego, a falta de oportunidade. Onde estão as grandes indústrias e as oportunidades de trabalho?

Grande parte da riqueza do Brasil sai pelo ralo, como se diz. A corrupção é responsável pelo desperdício do dinheiro. Os nossos políticos, em grande escala, envergonham o nosso país.

pebosco











Nenhum comentário:

Postar um comentário