Pesquisar este blog

sábado, 10 de março de 2012

Oração, jejum e caridade.


Quaresma 2012:
No tempo da quaresma somos chamados a uma pratica diferente em relação a nós mesmos a Deus e ao próximo.  Em relação a cada pessoa, é através do jejum que vamos estabelecer as relações com tudo aquilo que está ao nosso redor: não só em relação à comida. O jejum significa uma experiência para que possamos testar a nossa liberdade. Só o ser humano tem esta capacidade de não se deixar escravizar.
Quando pelo jejum a pessoa se sente capaz de ter domínio sobre si mesma, começa outra etapa que é o nosso relacionamento com o próximo através da caridade. Se não sou egoísta diante daquilo que tenho, posso tranquilamente partilhar com o outro de forma justa e fraterna.
Esta temática da quaresma nos põe diante de uma triste realidade: a questão da desigualdade social. Somos todos filhos do mesmo Pai, e, portanto, com a mesma dignidade Deus nos criou porem, em nossas relações vivemos em realidades extremadas. Enquanto alguns poucos esbanjam e até morrem porque comem demais, a imensa maioria morre porque não come sequer o necessário. Vivemos, assim, o drama dos que enriquecem porque empobrecem os outros. Assim, a caridade não é dar esmola, mas devolver ao outro o que lhe pertence. Se algo nos sobra não é nosso, na verdade, temos direito àquilo que necessitamos para a nossa sobrevivência. Nesta logica prevalece o que a igreja já nos lembrou nos anos 70: temos pessoas cada vez mais ricas à custa de pobres cada vez mais pobres. Agora com uma grande diferença: os pobres estão sendo mortos, isto é, alguém se dá o direito eliminar seu próprio semelhante.
Por fim, mas não por ultimo, o tema do relacionamento com o Pai na oração. O tempo da quaresma é o tempo favorável da relação com Deus, àquele que nos amou por primeiro. A oração é o alimento que nos faz caminhar para chegar ao Pai. Assim, não se reza para Deus resolver os nossos problemas. Reza-se para adquirir as forças necessárias que nos impulsionam para chegarmos a Deus e à realização do seu reino.
O mais importante é que esta pratica aconteça da forma mais silenciosa possível para que a recompensa venha do próprio Pai que está no céu. Se a nossa finalidade imediata é que os outros nos vejam, já recebemos a recompensa de termos sido vistos e elogiados por alguém.
A quaresma está ligada às tradições do deserto: lugar de provações, mas também lugar escuta, de meditação e de encontro com Deus. Assim, não podemos perder as ocasiões que Deus nos oferece. Como a vida não nos pertence, mas a Deus que nos cria, devemos aproveitar o tempo da graça e da salvação. Manter uma vigilante relação consigo para que possamos fazer a vontade de Deus acima de tudo e não a nossa, redobrar os cuidados no atendimento ao outro que é imagem do criador e acima de todas as preocupação o amor a Deus, sem o quais não poderíamos sobreviver neste com tranquilidade e paz.
É verdade! Se conseguirmos nos apoiar neste tripé, certamente mudaremos os nossos velhos costumes que tanto nos atrapalham e nos impedem de progredirmos no conhecimento de Jesus e de sua palavra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário