Pesquisar este blog

terça-feira, 1 de julho de 2014

MISSAO DA PASTORAL



A Pastoral Carcerária como Missão da Igreja.


Tenho sido perguntado se ainda estou na pastoral carcerária; tenho respondido que sim. A pastoral deve ser o centro da vida do ministro ordenado. Como dizia o apóstolo dos pagãos: ai de mim se não evangelizar. 1 cor. 9,16.
A minha relação com a pastoral carcerária começou quando eu estava recém ordenado no começo dos anos 90. A pequena equipe de pastoral que visitava uma pequena unidade sempre recorria a mim, pároco na cidade, para dar suporte nos momentos mais críticos que a equipe precisava enfrentar.
A partir daquele momento tenho atendido aos apelos que a pastoral me tem feito. Não escolhi a pastoral carcerária: fui escolhido por ela e acolhi o apelo pois Deus chama a partir de pessoas e de acontecimentos.
Ao longo desses anos, permaneço onde sempre estive: aberto a todas as pessoas mas com a atenção fixada na pessoa que está presa. Costumamos dizer que existem muitas vítimas no sistema penitenciário, mas, a vítima principal é a pessoa presa e sua família. Devemos cuidar de todas as vítimas, porém, as maiores vítimas merecem maior atenção.
O que justifica a minha ação pastoral, nesta pastoral:
Trata-se de uma pastoral profundamente evangélica. Ninguém pode dizer não ao agir pastoral, sobretudo aquele que se encontra enraizada na pratica de Jesus, aquele apresentado no juízo final em Mateus 25.
Temos identificado que a pessoa presa está doente, está com fome, com sede, está sem roupa, é estrangeira, etc., além de ser a pessoa presa apresentada como a pessoa do próprio Jesus. Nessa ótica, tudo o que fizermos aos outros é a ele que fazemos, Ele nos garante.
A fé nunca pode ser desvinculada da vida; nós agentes de pastoral carcerária temos a graça de no dia a dia nos depararmos com esse desafio: a fé confrontada com o ser humano sofrido mas também com esperança e fé para continuar a sua vida depois da prisão mesmo que o estado e a sociedade não lhe ofereçam as oportunidades.
O Papa Francisco tem nos dado também os fundamentos da nossa ação pastoral, pelas suas visitas, suas palavras, gestos e defesa da dignidade da pessoa humana, condenando de forma veemente a pratica da tortura. Além disso o papa Francisco tem defendido a possibilidade de a igreja sair ao encontro dos outros como condição para evangelizar. Convidar e acolher são palavras que não ecoam mais de forma eficaz. A igreja precisa ir, mesmo para se acidentar se for o caso, correndo os risco da missão.
O papa tem chamado a atenção para a presença da igreja nas periferias. Normalmente a periferia é vista como o lugar da exclusão e da marginalização. Muitos cristãos querem distância da periferia e também não querem pessoas da periferia presentes nos ambientes próprios da burguesia. Nos presídios muitas pessoas não querem ir.  São aquelas pessoas que rezam e estão nas missas mas não entenderam a missão da igreja e as orientações do papa. O papa Francisco fala das periferias existenciais. As prisões são periferias de exclusão, de marginalização, de repressão, de segregação, de extorsão e de inúmeros problemas e dramas existenciais, por isso, se a igreja for aquela mãe que põe no colo, como recomenda o papa, ela deve ser presença em todos os ambientes onde o ser humano está vivendo sob formas de escravidão. Padres e bispos, sobretudo, precisam perder o medo das prisões, como condição para sermos verdadeiros pastores. Respeitam-se os carismas mas a presença solidaria deve ser o carisma comum a todas as pessoas cristãs, independentemente de suas opções pastorais como condição para uma vida verdadeiramente cristã.
pebosco@gmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário